Chick Lit

Resenha — Vou te contar por que estou solteira — Simone Lemos

quinta-feira, março 10, 2016

Livro: Vou te contar por que estou solteira
Autor: Simone Lemos
Editora: Chiado Editora
Páginas: 221 - Ano: 2015
Gênero: Chick-Lit
Skoob: Adicione na sua estante
Nota: 3/5 ♥

Sinopse: O que acontece quando uma mulher que chegou solteira aos 30 resolve que precisa se casar? No caso de Maitê, muita confusão e situações hilárias. Quando Maitê percebe que todas as suas amiga estão se casando mas que ela continua presa a um relacionamento sem futuro com o sedutor Leo, decide que devorar livros de autoajuda sobre relacionamentos será o caminho mais rápido para o altar. Só que na pressa de se ver casada, ela acaba comprando títulos demais, misturando o que os livros estão dizendo e assim trocando os pés pelas mãos. Ela só não imagina que enquanto planeja sua armações, o destino já havia planejado algo bem melhor para ela.

RESENHA

O livro é um característico chick lit, a trama conta a história de Maitê, uma mulher que está próxima dos trinta anos e seu maior objetivo de vida que era casar e formar sua própria família ainda não foi concretizado, assim Maitê mesmo sendo uma jornalista muito bem qualificada, bonita, independente, sente que sua vida não é completa por lhe faltar um marido e filhos. Esse problema se agrava quando Maitê percebe que sua amigas mais novas que ela, estão começando a casar e ter filhos, então ela fica, digamos, um pouco, desesperada ....... Maitê recorre a livros de autoajuda para tentar conquistar um namorado, na verdade não é um namorado qualquer, ela é completamente apaixonada por Leo, um jornalista muito bonito e conceituado, ambos trabalham na revista Hoje Notícias.


Então, após ler muito seu livro de autoajuda comprado com grande sacrifício, pois Maitê morria de vergonha de estar lendo ou recorrendo a esse tipo de livro, ela começa a por em pratica todas as dicas que lia e aos poucos vai intrigando o cobiçado Leo, que um belo dia a convida para sair. Ela fica toda sonhadora, se prepara toda para o encontro de sua vida, já que na ingênua cabeça de Maitê, Leo com certeza está apaixonado por ela ......... Detalhe, o cara apenas a convidou para sair ..... Você deve estar achando que ele a levou em um dos  melhores restaurantes, ou em um barzinho badalado, ou até mesmo para um jantar particular regado a muito vinho e velas, pois se foi isso que você pensou, sinto muito em decepcioná-lo querido leitor. Na verdade o primeiro encontro do casal é em um motel na saída da cidade, bem escondido e distante de qualquer coisa que possa vir a comprometer Leo de alguma maneira.

Após o episódio do Motel, os dois voltam para a Hoje Notícias onde trabalham e, Maitê mesmo fingindo desinteresse ou vontade de estar perto de Leo, o que mais queria era justamente que ele se aproximasse e lhe trata-se como alguém especial, porém isso não acontece, ao encontra-se com o seu amor platônico. Ok, desta vez não tão platônico , tudo que Maitê recebe de Leo é um simples bom dia, e um grande distanciamento surge ali mesmo, não que antes fossem próximos, porém não existia o famoso climão.


Assim que Maitê compartilha com suas três amigas inseparáveis o que aconteceu entre ela e Leo, lógico que as amigas ficam revoltadas e começam a ver Leo como um cafajeste, ou apenas como Leo pastel, apelido carinhoso dado pelas amigas de Mai, ao contrário do que lia-se no celular de nossa protagonista, cujo apelido carinhoso dele era Leo-céu ..... Ok, pausa para o lado feminista da resenhista pronunciar-se.

Os encontros entre Leo e Mai, seguem no mesmo esquema, eles continuam encontrando-se pelos motéis da cidade as escondidas de tudo e de todos, Leo a faz de besta muitas vezes ....... Ops, espere um minuto, Leo a faz de besta? Sinceramente no decorrer da história eu vejo que não, ele não a faz, quem se faz de besta é a própria Maitê, com suas ilusões e comportamentos fantasiosos, Leo a todo momento foi sincero com ela, acredito que esse amor excessivo, quase obsessivo de Mai por ele a fez se desvalorizar em alguns momentos, não perante ele, ela não é do tipo que corre atrás, fica se humilhando, implorando atenção. Porém Maitê tem um comportamento oculto que a coloca nesse papel, e é justamente ai que está o X da questão, ela finge não querê-lo, mas internamente essa garota é completamente obcecada por Leo-céu, ela vive por ele, aceita e faz todas as suas vontades, mesmo estando com raiva, deixo entre aberto que raiva de coisas que não existiam fora de sua cabeça, bastava Leo a convidar para qualquer coisa, e quando digo qualquer coisa é exatamente isso que quero dizer, a garota simplesmente não conseguia dizer não.


Muitas vezes eu analisei a trama de diferentes pontos, e ao encaixá-los no final tive uma visão positiva. A trama é puro chick-lit, por isso indico para todos os apaixonados por esse gênero, é leve e com enredo divertido.

Por um lado temos a Maitê querendo formar sua família e casar a todo custo, por outro temos o pai dela que decide desmanchar seu casamento, segundo ele — Um casamento precisa ser repleto de felicidade com momentos de crise, e não repleto de crises com momentos de felicidade. Por isso deixou sua esposa e pediu o divórcio.

Por outro, Maitê, tem suas amigas mais novas casadas e engravidando, mas não é só isso, Maitê também vê casamentos duradouros como o de seu chefe que está completando bodas de prata e ainda assim traí sua esposa com outra mulher no trabalho e, que mesmo a mulher que é sua editora-chefe e amante do chefe dos chefes, também é casada e está traindo seu marido para manter a relação, pois a mesma acredita que seu esposo também tenha uma amante, e decidiu ter um também.


O ponto é: Maitê mesmo que sem perceber tem todo tempo diante de seus olhos vários aspectos do casamento, que é seu maior sonho, mas acredito que ela não perceba isso em um primeiro momento. O legal a história é que mesmo abordando a trama de maneira leve, não deixa de ser reflexiva em variados pontos, tanto do comportamento de nossa protagonistas, como a visão ampliada de vidas diferentes que muitas vezes julgamos perfeitas e nem sempre são.

No final o que mais me agradou foi a evolução de Maitê, em relação a carreira, a vida, seu comportamento, sua maturidade e suas escolhas, ela definitivamente não é uma personagem estagnada, acompanhamos suas burradas, mas também seus acertos e sua evolução. E nesse ponto percebemos o quanto realmente o tempo faz-se necessário para nos fazer viver o que realmente sonhamos.





























Postagens Relacionadas

0 comentários

Obrigado por comentar no blog!
Volte sempre!

Facebook

Twitter

Twitter