Dica De Leitura

Livros parecidos com "Jogos Vorazes"

segunda-feira, outubro 26, 2015





Oi leitores, tudo bem? Resolvi trazer mais uma série de livros parecidos, como os outros posts fizeram muito sucesso por aqui, hoje trouxe mais uma matéria, desta vez com um gênero diferente o distópico. Os outros posts de livros parecidos foram baseados nos romances Cinquenta Tons de Cinza e Belo Desastre

Não é novidade para ninguém que Jogos Vorazes fez o maior sucesso entre jovens e adultos, seus filmes foram um verdadeiro fenômeno. Por isso trouxe uma série de livros parecidos com a temática distópica e cheia de ação que tiveram os livros dessa série. 








Começamos com The Maze Runner, a saga é distópica assim como Jogos Vorazes e, já vendeu mais de 75.000 exemplares apenas no Brasil. A história trás o protagonista Thomas, um garoto de aproximadamente 16 anos, que desperta em um local estranho, chamado Clareira, sem nenhuma lembrança do passado. Lá ele passa a conviver enclausurado com outros meninos da sua idade. O local é cercado por um labirinto, o qual ninguém nunca conseguiu desvendar e fugir. Maze Runner também foi adaptado para os cinemas e o sucesso foi enorme. 





                                                                                                                                                                                         




Outro sucesso na onda das distopias foi a trilogia Divergente. Em uma Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.





                       


                                                                                                                                                                                 








Battle Royale: em 1997, o jornalista e escritor japonês Koushun Takami sofreu uma grande decepção. O manuscrito de seu romance de estreia havia chegado à final do Japan Grand Prix Horror Novel, concurso literário voltado para a ficção de terror, mas acabou preterido. Não era para menos. Embora habituado a tramas assustadoras, o júri se alarmou com a história do jogo macabro entre adolescentes de uma mesma turma escolar que, confinados numa ilha, têm de matar uns aos outros até que reste apenas um sobrevivente. Detalhe: o organizador da sangrenta disputa é o próprio Estado japonês, imaginado pelo autor como uma totalitária República da Grande Ásia Oriental.


O livro, intitulado 'Battle Royale', só seria lançado em 1999, espalhando um rastro de polêmica – vendeu mais de 1 milhão de exemplares e foi comentado no Japão inteiro. A repercussão foi tão intensa que apenas um ano depois já eram lançadas as adaptações da história para o cinema e para os mangás – mais tarde, viriam sequências tanto na tela grande como nos quadrinhos.




                                                                                                                                                                                         










Temos também um livro que fez muito sucesso nas livrarias britânicas e norte-americanas que  foi Starters da autora Lissa Price. A história se passa no futuro, quando uma guerra exterminou todas as pessoas que têm entre 20 e 60 anos. Para pagar um tratamento para o irmão doente, Callie, de 16 anos, é obrigada a encarar um trabalho estranho: o de alugar o corpo para idosos, que passam a habitar nela para se sentirem mais jovens. Mas o neurochip de controle implantado na garota falha e ela acorda do "aluguel" antes da hora -- a tempo de perceber que o locatário de seu corpo quer cometer um crime. Agora, ela precisa encontrar uma forma de impedi-lo. No Reino Unido, o livro, que é o primeiro de dois, é uma das apostas da Random House.





                                                                                                                                                                                   













Blood Red Road, publicado no Brasil como Caminhos de Sangue pela editora intrínseca, conta a a história de Saba, uma garota de 18 anos que vive em um deserto, tudo o que restou da civilização Wrecker. Um dia, em meio a uma tempestade de areia, seu irmão gêmeo, Lugh, é capturado para ser sacrificado. Para salvá-lo, ela tem de sair de sua cidade e enfrentar os perigos de um mundo sem lei. 











                                                                                                                                                                            















Outra trilogia que se passa no futuro e tem muitos elementos semelhantes a de Jogos Vorazes é a trilogia  feio, de Scott Westerfeld, que é composta por três livros: feios, perfeitos e especiais. A história segue uma adolescente chamada Tally Youngblood, que vive numa sociedade futurista onde todos, após passar por uma cirurgia, se tornam "perfeitos". Os segredos e consequências da operação vão sendo revelados gradualmente, ao longo das decisões da protagonista.

Tally Youngblood é feia. Não, isso não significa que ela é alguma aberração da natureza. Não. Ela simplesmente ainda não completou 16 anos. Em Vila Feia, os adolescentes ficam presos em alojamentos até o aniversário de 16 anos, quando recebem um grande presente do governo: uma operação plástica como nunca vista antes na história da humanidade. Suas feições são corrigidas à perfeição, a pele é trocada por outra, sem imperfeições ou – nem pense nisso – espinhas, seus ossos são substituídos por uma liga artificial, mais leve e resistente, os olhos se tornam grandes e os lábios, cheios e volumosos. Em suma, aos 16 anos todos ficam perfeitos.

Ao longo da saga, Tally descobre uma série de segredos a respeito dos "perfeitos" e da sociedade que a cerca. O ambiente futurista em que a história é ambientada é, por vezes, muito inovador e o final da história é surpreendente.




                                                                                                                                                                                  













Em um mundo totalmente dominado pelo medo e por um controle que transcende qualquer limite, algo justificado pelas constantes investidas de grupos terroristas, a ordem é preservada por uma instituição governamental conhecida como Coalizão Central.

A história se passa em 2050. A suposta paz é assegurada pelos “mantenedores da paz”, batizados de Lordeiros, uma reunião de pessoas bizarras e exóticas. Neste universo assustador todos os que se insurgem contra as novas leis são considerados terroristas e imediatamente reprimidos.










                                                                                                                                                                                      













Após a queda de um avião, um grupo de crianças volta ao estágio animal e de selvageria em uma ilha deserta e sem supervisão de adultos.

Publicado originalmente em 1954, “Senhor das Moscas” é um dos romances essenciais da literatura mundial. Adaptado duas vezes para o cinema, traduzido para 35 idiomas, o clássico de William Golding — que já foi visto como uma alegoria, uma parábola, um tratado político e mesmo uma visão do apocalipse — vendeu, só em língua inglesa, mais de 25 milhões de exemplares. Durante a Segunda Guerra Mundial, um avião cai numa ilha deserta, e seus únicos sobreviventes são um grupo de meninos em idade escolar. Eles descobrem os encantos desse refúgio tropical e, liderados por Ralph, procuram se organizar enquanto esperam um possível resgate. Mas aos poucos — e por seus próprios desígnios — esses garotos aparentemente inocentes transformam a ilha numa visceral disputa pelo poder, e sua selvageria rasga a fina superfície da civilidade, que mantinham como uma lembrança remota da vida em sociedade. Ao narrar a história de meninos perdidos numa ilha paradisíaca, aos poucos se deixando levar pela barbárie, Golding constrói uma história eletrizante, ao mesmo tempo uma reflexão sobre a natureza do mal e a tênue linha entre o poder e a violência desmedida. A nova tradução para o português mostra como Senhor das Moscas mantém o mesmo impacto desde o seu lançamento: um clássico moderno; um livro que retrata de maneira inigualável as áreas de sombra e escuridão da essência do ser humano.






                                                                                                                                                                     











As pessoas são geneticamente selecionadas e programadas após uma guerra. O mundo promove a busca constante pelo prazer, pela promiscuidade e abole sentimentos como amor, paixão e compaixão. Não existem regras religiosas nem morais, enquanto seres humanos comuns são renegados pela sociedade.

Ano 634 df (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade- os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime. Os conceitos de 'pai' e 'mãe' são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia- acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo.









                                                                                                                                                                                         










Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças, mas agora a ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway tem plena confiança de que as imposições como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresas pela cidade existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento Lena se apaixona. E depois de experimentar o amor, ela ainda escolherá a cura?








                                                                                                                                                                                          
















Primeiro livro de uma eletrizante trilogia ambientada em um futuro imaginado, mas assustadoramente possível, “Never Sky: Sob o Céu do Nunca” chega ao Brasil rodeado de grande expectativa por parte dos fãs de distopias. Em um cenário pós-apocalíptico, a população do planeta se dividiu entre aqueles que conseguiram esconder-se em cidades encapsuladas, conhecidas como núcleos, e as que sobreviveram nas áreas externas, mas tornaram-se primitivas. Através de um dispositivo eletrônico, os habitantes dos núcleos podem frequentar diferentes Reinos, cópias virtuais e multidimensionais do mundo que elas deixaram para trás. Neles se pode fazer qualquer coisa, ser qualquer pessoa, sem consequências no mundo real. Mundos sem dor, sem medo. As palavras dor e medo, porém, fazem parte do vocabulário cotidiano dos que vivem além das paredes dos núcleos. A escritora Veronica Rossi se utiliza da oposição dessas duas sociedades para pensar o poder da tecnologia, seus benefícios, malefícios e alienação que pode provocar nas pessoas.







                                                                                                                                                                                











O destino do Ponto Ômega é desconhecido. Todas as pessoas com quem Juliette se importa podem estar mortas. Talvez a guerra tenha chegado ao fim antes mesmo de ter começado. Juliette foi a única que restou no caminho do Restabelecimento. E sabe que, se ela sobreviver, O Restabelecimento não sobreviverá.


Entretanto, para destruir O Restabelecimento e o homem que quase a matou, Juliette vai precisar da ajuda de alguém em quem nunca pensou que pudesse confiar: Warner. Enquanto eles lutam juntos para combater o inimigo, Juliette descobre que tudo que ela pensava saber sobre seu poder, sobre Warner e até mesmo Adam era uma mentira.








                                                                                                                                                                                












Esse livro inclusive é acusado por muitos fãs de ser plágio de Jogos Vorazes, pelo menos no quesito capa. 


Um thriller intenso de ação e paixão num cenário futurista onde o número de assassinatos é superior à taxa de natalidade

Meadow Woodson, de 15 anos  foi treinada pelo seu pai para lutar, matar e sobreviver em qualquer situação, reside com a sua família num barco na Florida. O Estado é controlado pelo Complexo Assassino, uma organização que segue e determina a localização de cada cidadão com precisão, provocando o medo e opressão em absoluto.

Mas tudo se complica quando Meadow conhece Zephyr James, que é – embora ele não saiba – um dos assassinos programados do Complexo. Será o seu encontro uma coincidência ou parte de uma apavorante estratégia? E conseguirá Zephyr impedir que Meadow descubra a perigosa verdade sobre a sua família?



                                                                                                                                                                                                                                                                                                    




Deixando claro que os livros foram divididos em tópicos, ou seja, escolhi livros com alguma semelhança nos livros de Jogos Vorazes, todos são distopias, alguns tem mais semelhança, outros nem tanto, porém seguem a mesma linha.

 Espero muito que curtam esse post e, não deixem de dizer aqui nos comentários o que acharam e, de deixar sugestões para os próximos posts de livros parecidos. 
Qual livro vocês gostariam de ver por aqui? 

Beijos e até o próximo!




Postagens Relacionadas

3 comentários

  1. eu adorei a seleção de livros feita por vc!
    eu estou querendo mt ler alguns dai, tipo reiniciados, starters, dentre outros.
    ah, vc sabe se a editora pensa em publicar o segundo livro de caminhos de sangue?? ou ja tem? sla, pq eu li o primeiro e gostei mt..
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ludmila.
      Entrei em contato com a editora intrínseca e mesma informou que ainda não tem previsão de lançamento do segundo volume por aqui.
      Abraço .... Vivi.

      Excluir
  2. Amei a seleção de livros. Já li a trilogia Reiniciados, Divergente e agora estou indo para starters.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar no blog!
Volte sempre!

Facebook

Twitter

Twitter