editora chiado

Um Passado Sempre Presente - Ahnuc M R

segunda-feira, janeiro 25, 2016

Autor: Ahnuc M R
Data de publicação: Dezembro de 2014
Número de páginas: 396
ISBN: 978-989-51-2424-4
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Ficção
Onde comprar: Chiado editora
Nota: 5/5 ♥

Sinopse
Madalena foi uma adolescente criada num ambiente de extrema violência. Refugiava-se na serra, vivia assustada e na mais profunda solidão. O seu maior sonho era ver o mundo para além do sítio onde morava e o jovem recém-formado em medicina Gustavo Valverde, realizou-lhe esse sonho só para a possuir. O preço a pagar pelo dia que ousou desviar-se do seu caminho, virá a revelar-se demasiado alto e tão doloroso que a marcará para sempre e a levará a cair no pior dos infernos.
Envolta em mistérios e fantasias para satisfazer as suas carências sexuais, a bela e elegante Laura de Noronha, é uma executiva dedicada e brilhante, mas é o seu lado frágil, carente e inexperiente que acabará por conquistar Alan Garcia, um violinista que largou tudo para ficar perto dela. No entanto, Laura é perseguida pelo passado de Madalena que a impede de amar e ser feliz. Conseguirá Alan romper as fronteiras do passado, enfrentar Madalena e conquistar Laura?
Um Passado Sempre Presente é uma história envolvente e emocionante que mostra o lado mais cruel do ser humano assim como a capacidade que tem para superar dificuldades e se reerguer mesmo quando tudo parece perdido. Esta história é dedicada a todas as vítimas de todo e qualquer tipo de violência ou abuso.


CONTÉM SPOILER!

Resenha

Dor, angustia, grito, sufoco, sentimentos que batem a porta na tentativa inútil de fugir, vontade louca de apertar o passo em busca do desconhecido, correr em busca da liberdade, apenas de respirar. Fuga de um passado sempre presente, persecutório e aniquilador.

A histórias de três mulheres, o livro decisivo de uma sociedade aniquilada pelo não sei de nada, assim começa a trama da jovem pastora em um lugar isolado do mundo, um sítio localizado em uma aldeia muito primitiva e com poucos recursos no interior de onde apenas Deus lembra existir.

Maria Galvão, mulher cobiçada por todos os homens de seu povoado, de família bem posta, dama invejável, companhia perfeita para ser esposa de qualquer um, mas apenas uma escolha define o destino no dia em que ela escolhe o diabo.


Anos depois ..... Meu nome é Madalena, sou uma moça de aparência frágil e encantadora, vivo em um lugar muito simples, meus sonhos parecerão patéticos a qualquer pessoa comum, a liberdade e o desejo pelo desconhecido, são tudo que sempre quis. Um dia ele voltou, me deparei com ele ao sair da igreja, o Doutor, Gustavo, era seu nome, ele era neto de um senhora vizinha que morava em nosso povoado, faz muito tempo que saiu para estudar medicina em outra cidade, as vezes voltava para visitar sua avó, ele sempre foi minha paixão platônica, mesmo com apenas 14 anos, eu o via como ....
Um dia saindo da igreja no domingo de manhã, fui abordada por um homem diferente, alto, bonito, com vocabulário perfeito e sorriso arrebatador, ele gritava para que eu o esperasse, pensei ser um delírio, até ter meu braço puxado, então o reconheci.


Passado alguns dias, estava levando o rebanho de ovelhas para o pasto, passava horas do meu dia fazendo isso, então em meio ao verde infinito na minha frente me deparei com uma sombra de um homem, lógico, era ele, Gustavo.

Em poucos minutos de contato ele me deu a oportunidade de ter meu sonho realizado, então fugi sem rumo, cheguei ao seu encontro após atravessar uma floresta imensa e o encontrei me esperando na estrada que separava o fim do mundo da civilização. Ali fui com ele, não perguntei nem para onde, nem quis saber, apenas o segui .... Meus olhos se encheram com tudo que via, carros, edifícios, motos, pessoas correndo de um lado para outro, estradas, tudo. Andamos, e acabamos na praia, era muito mais que podia querer ou imaginar, minha felicidade plena, sempre via o mar em meus sonhos, mas nunca pensei que era assim, ali Gustavo ficou me observando com um brilho especial no olhar, ali também ele me fez mulher. Ao fim do dia infelizmente meu pesadelo tocou a porta, Gustavo levou-me de volta ao inferno. Cheguei e o medo tomou conta de mim, pensei que Gustavo me levaria com ele para sempre, mas após nosso momento na praia, ele acabou me confidenciando que estava noivo e que principalmente eu não deveria contar para ninguém o que havia passado entre nós na praia, esse era nosso segredo. Mas, afinal, o que passou?


Assim que entrei no sítio aquele que me dera a vida me recebeu com um golpe de madeira na cabeça, cai e o sangue começou sair pela ferida, em seguida comecei a receber sequências de chutes na barriga, quase inconsciente após a agressão, fui arrastada pelos cabelos e jogada contra parece, então foi nesse momento que a mulher fria e distante, minha mãe, intercedeu por mim, ponde-se na minha frente antes que eu pudesse morrer, olhei para o lado e Rita, minha irmã de quatro anos, estava em estado de choque, encolhida em um canto escuro observando nossa mãe, sendo sufocada até que lhe faltasse o ar, assim que sai do transe, consegui gritar e foi nesse momento que o ditador voltou a si e a largou, olhou-a com olhar de arrependimento e foi diretamente para seu quarto, onde sua esposa, a mulher que ele acabou de agredir o seguiu silenciosamente para que ele a cobrisse com seu corpo. Rita e eu apenas ficamos ali, eu jogada em uma possa de sangue e urina, misturada ao chão de terra batido. Horas depois, quando o demônio havia dormido, minha mãe voltou, aqueceu uma jarra de água e colocou em uma bacia, onde me lavou, no fundo, eu não queria ser salva, ainda assim, levei pontos sem anestesia, apenas com uma toalha enfiada na boca para abafar qualquer grito que pudesse despertar o ditador.


Minha história é cheia de detalhes, mas o espaço nessa curta resenha não seria suficiente para expor tudo como gostaria, por tanto irei me ater a um breve resumo.

Eu, Madalena, fui embora desse lugar quando tinha 14 anos, fui levada pela irmã do demônio, você deve estar se perguntando, ótimo, então tudo ficou bem? — Não, não, ficou!

Sua irmã, minha tia era pior do que ele, meu pai e ela eram órfãos, ele viveu em um ambiente agrícola, apanhava como louco, nunca conheceu outro tipo de aprendizado a não ser a base da agressão,  minha tia por sua vez, foi criada em um orfanato, por freiras carinhosas e compreensivas, que lhe deram amor, ensinamentos e carinho. O pagamento dela por tudo isso,  foi rouba-las e vandalizar o orfanato quando de lá saiu. Sempre muito astuta e manipuladora, logo conquistou o coração de homem mais velho, porém podre de rico, mostrou-se como meu pai, um lobo em pele de cordeiro, isso até antes de casar. claro. Quando fui morar com ela, seu marido já estava com uma doença terminal, na casa onde vivi, tinha que ser sua Cinderela, vivia como empregada, limpava, a servia e principalmente, não podia sair.  Ali fiz amizade com seu esposo, ele tornou-se um verdadeiro pai para mim, me ensinou tudo que sei, principalmente me deu algo que nunca tive, afeto e carinho.
Ali também descobri que estava gravida, não sabia nem como isso pode ter acontecido, não por ter a velha desculpa do descuido, eu realmente não sabia, fui criada em completo isolamento, esclusa de informações ou qualquer coisa que pudesse me esclarecer, minha formação escolar foi em casa com minha mãe, formação básica e primaria. Algumas coisas aconteceram no caminho, por esse motivo fui expulsa da casa de minha tia, tive meu bebê na rua, sozinha em uma viela escura, em um dia gélido. Desmaiei naquele momento, na tentativa inútil e infantil de tentar lutar contra a natureza, meu bebê tentava sair e eu o empurrava para dentro da minha barriga. Motivo: tentar protege-lo de todo sofrimento que o mundo poderia trazer. Por obra do destino, no local passava um caminhoneiro, que futuramente descobri ter sido o homem que me salvou.


Eu consegui sobreviver, meu bebê não, isso é uma dor latente que nunca me recuperei, até hoje sinto meus braços vazios e meu coração despedaçado. Fui levada para uma casa de recuperação de mulheres carentes, lá fiquei sob os cuidados das freiras responsáveis. Meus pais acabaram morrendo em um incêndio no sítio, ele o homem que me deu a vida, foi instigado por sua irmã, aquela que me levou, a matar minha mãe, ela inventou que ela o havia enganado com seu marido, então o homem ficou possuído e colocou fogo no sítio onde morávamos, minha irmã Rita de 4 anos, acabou morrendo queimada junto com o rebanho de ovelhas, que com minha ausência ficou sob sua responsabilidade. Meu pai, partiu a perna de minha mãe em quatro partes com um machado, e quando estava indo em direção a Rita, minha mãe emergiu do chão e o fez voltar o provocando, quando estava próximo, ela o acertou com o machado no pescoço, o fazendo sufocar no próprio sangue. Minha mãe ainda foi socorrida, mas estava sob prisão hospitalar, sendo acusada de homicídio qualificado, por ter matado meu pai. Infelizmente toda tristeza e uma infecção a fizeram desistir de viver. E foi ali, justo nesse momento que virei órfã.

Minha vida não foi fácil. Como puderam ver na sinopse sobre minha vida, futuramente entrou Laura de Noronha em meu caminho, uma executiva poderosa e muito segura de si. Porém para saber mais sobre ela recomendo a leitura de minha história, o que posso garantir é que Laura sempre carregará consigo, um passado sempre presente.


Nota da resenhista

Você deve estar se perguntando, porque uma resenha dessa maneira, ou até mesmo me censurando por tantos spoilers. A verdade é que desde o inicio da minha leitura não via outra maneira de expor esse texto sem tais revelações, o principal motivo é justamente para que você perceba o quão perverso pode ser o ser humano, ou melhor desumano. Senti necessidade de abordar cada detalhe violento dessa trama para que seja percebido o que sente uma vítima, para que talvez de alguma maneira toque o coração dos que são da turma do deixa para lá, ou do não vamos nos meter, em uma situação visível de agressão, aqui pode ser muito exagerado, dramático, mas será que nesse momento em algum lugar do mundo não está acontecendo isso, exatamente essa história em alguma parte desse universo tão imenso? Você já se perguntou isso hoje?

A violência em sua forma mais altiva é abordada nesse texto, ali contei apenas partes chocantes, mas garanto a você que se ler na integra o texto, irá se chocar mesmo com os detalhes expostos acima, pois existe muito mais dor e sofrimento.

De vítimas a agressores, de um homem completamente obcecado por uma mulher que lhe pertence a ponto de odiar os próprios filhos por não querer dividir sua esposa com eles, um homem que foi capaz de isolar sua mulher do mundo naquele sítio, simplesmente por não querer que ninguém a visse. Um homem capaz de jogar sua filha mais nova recém nascida pela janela em uma estercaria ( espaço dedicado a armazenamento esterco) porque ela estava chorando durante a noite, e ameaçar a mulher de mata-la com um machado se saísse para busca-la.

Uma menina de 14 anos que é violentada por um médico de 26, essa parte tenho que dizer que fiquei em dúvida até o final do texto, quando me convenci, mas sim, ele a iludiu, usou, e mesmo deixando um quê de amor no ar, se dizendo apaixonado suas ambições falaram mais alto e o segredo nunca foi revelado. Ele fez o que queria e foi embora, nem ao menos se preocupando com o que havia deixado para trás. Quando estava com 40 anos, esse mesmo médico, Gustavo, foi preso, sendo acusado de pedofilia, sua justificativa, era culpar Madalena que o havia enfeitiçado, por quem sempre foi apaixonado e por isso todas as suas vítimas eram parecidas com ela. Lógico, nunca foi nada forçado, ele era muito esperto para isso, apenas usava a técnica que usou com Madalena na aldeia, usava as meninas, as encantava com palavras doces e pedia segredo, afinal elas tinham 14 anos e ele 40.

Por isso senti necessidade pela primeira vez de expor uma resenha repleta de spoilers, tão reais e dolorosos que me angustiaram ao escrevê-la. Repleta de personagens tão possíveis quanto asquerosos.

Será que você nunca ouviu falar de uma história parecida, será que nunca conheceu uma Madalena?


Leiam o livro se for possível, uma leitura diferente e tão real que pode estar acontecendo nesse exato momento, onde você menos imagina!

Espero que tenham gostado, grande beijo e até a próxima!



Quotes


O choro  permanente fizera com que ele se descontrolasse, pegasse na bebê e a jogasse janela a fora em direção a esterqueira. Em pânico, Maria quis reagir, mas Joaquim à a obrigara a manter-se quieta, lembrando-lhe, com um simples gesto, o que estava debaixo da almofada. Ambos sabiam o que era e ambos sabiam para que servia.


Roubaram-lhe tudo. Só não lhe haviam roubado o que menos lhe importava: a própria vida. 

Como poderia Madalena temer o demônio, se vivera na mesma casa que ele toda sua vida? 



Uma mancha escura movia-se, ao longe, serra abaixo. Era ela. Joaquim sentia-lhe o faro. Ela deixara Rita na serra com o rebanho  descera para cumprir as suas obrigações no sítio e ele contava-lhe os passos, seguindo-lhe os movimentos como um predador a espera da presa. Olhava ao longe com olhos semicerrados de vingança. Estava cego de ciúme. 
FuriosoLoucoPossuído. 


Maria queria provoca-lo e o atrair para o mais próximo de si. Sou mais forte que tu Demônio, sou mais forte maldito. Joaquim a olhava incrédulo, mas quando percebeu que a mulher se mantinha em pé porque recorreu a meios para se apoiar, foi tarde demais. Maria Galvão, durante uma manhã em plena primavera em um sítio longe do mundo, pôs fim a vida do homem que ela, com seu silêncio, protegera durante anos a fio. O homem que a matou varias vezes durante todos os esse anos, mas que sempre a deixava viva para chorar e testemunhar a própria morte. 


















Postagens Relacionadas

1 comentários

  1. Estou em estado de choque com essa resenha, ainda mais com tantos spoilers na sinopse hahhaha, isso me assustou um pouco. Mas o que mais achei incrível é interessante é que apesar de parecer uma história bem extremista, é possível reconhecer uma ou outra forma de abuso e violência , é possível ver que relapsos desses abusos existem e por muitas vezes ficamos caladas e por mais triste que possa parecer talvez nós mesmo tenhamos um pouco de Madalena .

    Resenha magnífica minha amiga. Realmente me interessei muito no livro e será a minha próxima leitura .

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar no blog!
Volte sempre!

Facebook

Google Plus

Novidades Por E-mail

Arquivo do blog