Coluna: A Raposa PP indica

Livros infantis diferentes / Especial mês das crianças

domingo, outubro 11, 2015


 — Olá leitores. Hoje vim trazer uma seleção de livros infantis diferente daqueles que estamos acostumados os famosos clássicos, quis fazer uma lista com livros diferentes e dessa forma oferecer uma nova opção aos leitores mirins e orientar quem busca por dicas do gênero. 

A lista trás varias histórias com propostas reflexivas e temas do nosso cotidiano, com uma linguagem completamente adaptada a idade dos pequenos, abordando com sutileza temas polêmicos e despertando a curiosidade das crianças, tudo isso com riquíssimas ilustrações.

 Como disse no início do texto, quis oferecer opções de livros além dos clássicos, exceto pelo último que trás personagens clássicos com histórias clássicas, mas estou perdoada, afinal falar de criança sem citar os famosos personagens seria um verdadeiro sacrilégio. Vamos as dicas!

*Por :Viviane




Chapeuzinho é uma bela menina que sofre de um mal terrível - sente medo do medo. Enfrentando o desconhecido, 'o lobo', ela supera medos, inseguranças e descobre a alegria de viver. Com sensibilidade, Chico Buarque, compositor e escritor, constrói um texto em que a linguagem é um grande jogo.

                                                                                                                                            



O coelhinho branco quer ter uma filha pretinha como aquela menina do laço de fita. Mas ele não sabe como a menina herdou aquela cor.

                                                                                                                                                    


Ratinho é muito curioso. Ele gosta de descobrir como tudo é por dentro. Nada escapa de Ratinho, nem mesmo as fraldas de seus amigos. Coelho, Cabrita, Cachorrinho, Bezerro, Potrinho e Porquinho, todos mostram suas fraldas. Então, claro, eles também querem ver a fralda de Ratinho. Uma grande surpresa os espera. Um livro com abas sobre a grande curiosidade de um pequeno rato.

                                                                                                                                                              



O que é que tem um nariz azulesverdeado, dentes brancos afiados e grandes olhos amarelos? É O Grande Monstro Verde! Mas, não fique assustado. Dê uma olhada neste livro cheio de recortes e veja ele se transformar diante dos seus olhos. Aí, quando estiver pronto para mostrar quem é que manda de verdade, simplesmente feche o livro e faça-o sumir. O premiado artista-autor Ed Emberley criou uma maneira original de fazer com que as crianças espantem seus monstros noturnos da imaginação.

                                                                                                                                                               


Em 'Como nasceram as estrelas', Clarice Lispector busca dialogar com seu pequeno leitor de igual para igual. A autora conta lendas e histórias de personagens do folclore brasileiro, como o Curupira e o Saci-Pererê. Para cada mês do ano, Clarice revela uma lenda ou conto que retrata cenários e tradições característicos da cultura brasileira. A história que dá nome ao título do livro conta como, em uma aldeia, travessos curumins deram origem a gordas estrelas brilhantes.

                                                                                                                                                               


Nesta obra, a pobreza, a solidão e o desajuste social são vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos. Nascido em uma família pobre e numerosa, Zezé é um menino especial, que envolve o leitor ao revelar seus sonhos e desejos, por meio de conversas com o seu pé de laranja lima, encontrando na fantasia a alegria de viver.

                                                                                                                                                                  


Era uma vez Tistu... Um menino diferente de todo mundo. Com uma vidinha inteiramente sua, o pequeno de olhos azuis e cabelos loiros deixava impressões digitais que suscitavam o reverdecimento e a alegria. As proezas de seu dedo verde eram originais e um segredo entre ele e o velho jardineiro, Bigode, para quem seu polegar era invisível e seu talento, oculto, um dom do céu. Até o final surpreendente e singelo. 

"O Menino do Dedo Verde", de Maurice Druon, tornou-se um ícone da literatura para crianças e jovens em todo o mundo e permanece atual há três décadas, sendo adotado em escolas do Ensino Fundamental todos os anos. Esta fábula trata de questões relacionadas com os conceitos de convívio social, ética e cidadania; e foi pioneira ao abordar o tema ecologia.

                                                                                                                                                               


Neste livro, Eva Furnari propõe diversas trocas, brincando com as palavras - na tradição dos trocadilhos - e também com a reputação de personagens como o lobinho delicado e o chapeuzinho malvado. A cada duas páginas a criança tem um texto completo que, com as ilustrações, pode divertir e satisfazer sua expectativa de leitor. Não há uma narrativa, uma trama a ser seguida, apenas quadros que procuram estimular a criatividade dos pequenos.

                                                                                                                                                      


O camaleão queria a todos agradar. Mas será que isso pode funcionar? Pois quem a si mesmo não agrada também jamais vai conseguir agradar outro alguém...

                                                                                                                                                         


Esta obra conta a história do dia em que o pai de Laura pegou o livro secreto das princesas e contou para a filha algo que ninguém sabia. O livro convida os pequenos leitores a descobrirem que segredo é este.

                                                                                                                                                          


Dona Baratinha achou uma moeda e pensou que, estando rica, poderia se casar. Então, se arrumou e foi para a janela procurar um noivo. Muitos candidatos apareceram; o boi, o gato, o cachorro, mas o ratinho foi o escolhido. A noiva chegou na igreja, mas o ratinho não apareceu. Ela acabou desistindo do casamento. O noivo? De tão guloso, tinha caído na panela de feijão. Dona Baratinha resolveu pegar o dinheiro e se divertir.

                                                                                                                                                          


Usando de astúcia e imaginação, um ratinho vai criando um monstro terrível e assustador - o Grúfalo - e diverte-se espantando seus predadores. Mas, qual não é seu espanto ao ver sua imaginação personificada à sua frente. 'O Grúfalo', de Julia Donaldson, é uma divertida fábula sobre os poderes da nossa imaginação. As bonitas ilustrações, de Axel Scheffler, complementam a graça do texto e convidam a acompanharmos o ratinho em seu passeio pela floresta.

                                                                                                                                                              


Os personagens dos três contos deste livro são crianças que vivem no espaço urbano. Elas resolvem seus impasses com muita esperteza e vivacidade - Marcelo cria palavras novas; Teresinha e Gabriela acabam se identificando, apesar das diferenças; Caloca compreende a importância da amizade.

                                                                                                                                                           


Partindo do final de diversos contos de fadas, onde a princesa se casa com o príncipe e juntos vivem felizes para sempe, o autor Pedro Bandeira indaga o que significa 'felizes para sempre' e expõe, por meio deste conto, o que 'felizes para sempre' deveria significar.

                                                                                                                                                               


Felipe gostava muito de ir à casa da vovó. Além dos bolos e doces deliciosos que preparava, ela era uma ótima contadora de histórias. Um belo dia, enquanto o neto a ajudava a fazer uma nova colcha, em meio a retalhos coloridos, desenhados e cheios de história, os dois foram reunindo e costurando lembranças juntos. A partir desse dia, Felipe passou a compreender algo até então desconhecido para ele- o sentido da saudade.

                                                                                                                                                        


Thalita Rebouças estreia na literatura infantil com 'Por que só as princesas se dão bem?', um conto de fada às avessas que vai conquistar as leitoras mirins. Com o estilo descontraído e bem-humorado, a autora desconstrói o fascínio infantil pelas princesas ao contar a aventura de Bia, uma menina apaixonada por histórias de princesas que vivem felizes para sempre, até o dia em que ela entre num desses contos e descobre que vida de princesa pode ser muito diferente da que ela sempre sonhou.Thalita Rebouças busca um diálogo com diferentes públicos ao escrever um livro repleto de diálogos divertidos.

                                                                                                                                                             


Como todo coelho, Joãozinho franzia o nariz muito depressa quando estava cheirando, ou melhor, pensando em algo importante. Num desses dias em que a barriga estava roncando, uma ideia lhe surgiu à cabeça - fugir da casinhola de grade de ferro sempre que esquecessem a sua comida. Essa e outras três histórias para os pequenos leitores compõem esta coletânea.

                                                                                                                                                          


Dona Sofia é uma senhora muito especial e simpática. Professora aposentada, mora sozinha e adora ler, especialmente poesia. Tanto que decorou todas as paredes de sua casa com os poemas de que mais gosta, para que não ficassem escondidos nos livros e ela pudesse relê-los a qualquer momento. Quando não havia mais espaço nas paredes, resolveu fazer cartões poéticos que seu amigo, o carteiro Ananias, passou a distribuir entre os moradores da cidade. Aos poucos, a poesia vai tomando conta da vida de todos, descortinando um mundo secreto, repleto de sabedoria, luz e sensibilidade. O livro, como as paredes da casa de Dona Sofia, também é todo 'ilustrado' com muitos poemas de diversos autores, despertando no leitor o desejo de conhecer mais esse universo tão rico de imagens e sonoridades. Um trabalho artístico delicado, que convida a ler e reler, inúmeras vezes, sempre descobrindo novos detalhes.

                                                                                                                                                                 


'As aventuras do avião vermelho' conta a história de Fernando, um menino travesso. Preocupado com a desobediência do filho, o pai lhe dá um livro de presente. Todo feliz, Fernando passa a tarde lendo histórias. A que ele mais gosta é a do valente Capitão Tormenta, que percorre o mundo num avião vermelho. O menino decide que também quer ser aviador. Fernando ganha outro presente; um aviãozinho vermelho. O menino agora podia brincar de ser Capitão Tormenta. Em companhia de seu ursinho ruivo e do boneco Chocolate, ele passeia pela Lua, pela China, pela África e chega à Índia. No percurso, enfrenta relâmpagos, ventanias e até um exército de tico-ticos. Os viajantes ainda vão parar no fundo do mar, onde o aviãozinho se transforma num submarino.

                                                                                                                                                         


Que ninguém é igual a ninguém todo mundo já sabe. A novidade do texto é que ele mostra como é gostoso a gente ser o que é, sentir o que sente e viver como vive, apesar da opinião dos outros. Além disso, o personagem TIM traz uma proposta lúdica muito especial.

                                                                                                                                                       


'Solidão é uma ilha com saudade de barco'. A frase, recheada de poesia, é uma das muitas que Adriana Falcão esculpiu com sensibilidade para este livro, que já se tornou um clássico da literatura para as crianças de todas as idades. De página em página, Adriana vai 'explicando' algumas palavras às vezes de difícil compreensão para aqueles que estão começando a entender o mundo.

                                                                                                                                          


O autor, Todd Parr, apresenta, por meio de frases curtas, assuntos polêmicos relativos às famílias, como adoção, diferenças raciais, culturais e sociais. Veja a matéria especial que o blog preparou sobre esse livro: Link

                                                                                                                                                  


Um retrato sensível e bem-humorado de diferentes experiências familiares a partir de elementos concretos e cotidianos, como habitação, moradia, trabalho, alimentação, lazer etc. Os relacionamentos aparecem de modo complexo, com estrutura variada (famílias extensas ou reduzidas, hetero, homo ou monoparentais, biológicas ou adotivas etc.), multiplicidade de sentimentos e estilos de comunicação. Texto e ilustrações em diálogo fecundo enfrentam com humor e criatividade os preconceitos e estereótipos da família como realidade única e imutável.

                                                                                                                                                   


Em 'Diferente como Chanel', as crianças podem conhecer a biografia desta estilista que inovou em uma época em que, para estar na moda, as mulheres precisavam de luxo, pompa e espartilhos. O pretinho básico, uma de suas principais invenções, não saiu das ruas e das passarelas desde que foi criado, em 1926. O livro traz a trajetória da estilista francesa, da infância pobre no orfanato ao emprego em uma alfaiataria até a abertura de sua primeira loja, financiada por um jovem aristocrata apaixonado. Nas ilustrações, Matthews deu vida a uma personagem quase caricatural, de silhueta esbelta e com o inseparável colar de pérolas com a tesoura pendurada no pescoço. Ao final, há cronologia, bibliografia básica, foto da estilista e desenhos do poeta Jean Cocteau e do caricaturista Sem.

                                                                                                                                                  


Pablo Picasso (1881-1973) foi um dos artistas mais importantes do século XX e este livro mostra que existem muitas maneiras de entender sua obra. Episódios de sua vida, num período histórico fascinante, ajudam a esclarecer aspectos de seu trabalho em pinturas, esculturas, gravuras e cerâmicas. Picasso começou a desenhar aos sete anos de idade, e sua inquietação se manteve sempre, fazendo com que explorasse de maneira criativa todos os objetos que via; máscaras de tribos africanas, jornais, pedaços de estuque etc. O volume fornece chaves de compreensão para telas como 'Guernica', 'Les demoiselles d'Avignon' e 'Família de saltimbancos'.

                                                                                                                                                           


As palavras podem parecer duras, suaves, feias, bonitas, tristes, alegres. Expressam tanto verdades como mentiras, portanto devem ser bem dimensionadas antes de ser ditas. Este livro pretende possibilitar discussões sobre ética nos relacionamentos e as consequências das palavras mal avaliadas. Escrito em forma de poema narrativo.

                                                                                                                                                           


Este livro traz 14 fábulas clássicas, representadas pelos divertidos personagens da Turma da Mônica. Temas como amizade, generosidade, honestidade e superação ganham um toque especial com a participação de Cebolinha, Magali, Cascão, Mônica e sua Turma. Não apenas a presença desses amigos célebres, mas também o texto acessível e as ilustrações vão despertar o interesse das crianças pela leitura.

                                                                                                                                                                       

Ufa, a lista ficou enorme, juro que tentei mas quando comecei a pesquisar e ver tantos livros maravilhosos juntos ficou difícil escolher. Com essa vasta gama de livros diferentes vocês tem muitas opções e ideias para dividir com os pequenos leitores. E também com os grandes, porque muitas pessoas gostam de se aventurar pela literatura infantil, adoram conhecer novas obras, estar acompanhando as abordagens usadas para atingir os leitores mirins e, lógico se apaixonar por preciosos personagens. 


















Postagens Relacionadas

0 comentários

Obrigado por comentar no blog!
Volte sempre!

Facebook

Twitter

Twitter